terça-feira, julho 21, 2009

a magda gostou do jorge durante 3 ardentes anos. contudo ele não lhe ligava nenhuma.
cabelo de mémé, chamavam. sempre lutou contra aquela carapinha indomável que tentava em vão desfrisar. mulata de pele branquinha, carapinha e nariz largo e lábios grossos.
sorriso largo e imensa alegria de viver.o jorge preferia as gajinhas mais desenvolvidas e de raça mais apurada para treinar os beijos no jogo do bate o pé.
conheço a magda desde o cinco anos, lembro-me desse tempo de pré-escola, de bibes às riscas amarelas. uma vez, a jogar a apanhada, ainda com a colher suja de iogurte vigor na mão, rachei-lhe a cabeça, momento traumatizante em que me apercebi que a tinha magoado e vi o sangue a escorrer pela carapinha cortada curta.
amo-a como se fosse uma irmã, apesar de estar raras vezes com ela e de morar ridiculamente perto.
o élio também andou comigo na pré-escola. um pretinho adorável, simpático. perdi o contacto pouco depois de ter entrado para o preparatório. hoje é uma pessoa que eu não gostava nem sequer que se sentasse ao meu lado no comboio.
a magda e o élio namoram quase há dez anos. incontáveis separações pelo meio. traições. agressões, físicas e psicológicas. estou farta, rita, desta vez não quero nem saber, disse-me ela já tantas e tantas vezes.
como estás magda? o mesmo sorriso agora com résteas de alegria; vai-se indo, ou, cá estamos... sorri envergonhada. sabe que se eu pudesse quebrava-lhe o feitiço e libertava-a das amarras mas ela foi ficando.
agora está grávida, barriguinha já a notar-se por baixo da bata do intermarché e é uma notícia desoladora.

4 comentários:

Refugee disse...

adorei o texto. realismo cru e duro. mesmo ao jeito da boonie, heheh
sploxi

comboio turbulento disse...

h´muito que não caía na blogosfera mas vejo que este cantinho continua lindo, a magda entretanto engravidou e a tua mãe continua a recusar-se andar na lua.

beijinhos

Rabisco disse...

Olá, olá!
Gostei deste texto que escreveste...
Por mais que queiramos, por vezes nada podemos fazer por aqueles que estão perto de nós...
Especialmente quando são eles que decidem assim.
Sentimo-nos impotentes mas os caminhos errados têm também de ser percorridos para que algumas pessoas aprendam e cresçam ao sabor dos seus próprios erros...
Quantas vezes não o fazemos também?

Beijinhos

maoqueeaaf disse...

E tu continuas a escrever que é umaq maravilha! :)