segunda-feira, fevereiro 23, 2009


os dois corpos quase imberbes intimamente próximos dentro do comboio. ela parece sussurrar-lhe palavras melosas ao ouvido, insinuante. é curioso como o comportamento não liga com os ossos das ancas estreitas de adolescente ainda quase criança saídos para fora de umas calças de uma qualquer loja espanhola.
o miúdo parece e é tão novo como ela, mais perto de criança do que de homem. espera pacientemente que ela arranje uma posição confortável, cabeça contra o peito ossudo de rapaz. o olhar dele pousa docemente nos traços da menina mulher. e naquele momento é bonito de se ver o amor que salta aos olhos de todos através de alianças de prata nos dedos magros do casal de miúdos.

4 comentários:

Refugee disse...

Eu sempre soube que tinhas talento para escrever. Tens o meu apoio quante (expressão do sistema de verificação de palavras) antes...

lory disse...

:)

gostei do post!!!

:*

Mars disse...

que gayaaaaa, ahahah :p
gostei!

Mas afinal o que estou eu aqui a fazer?... disse...

Tens uma escrita deliciosa... Beijinhos!