quarta-feira, setembro 24, 2008

fragmentos

mais um para a minha lista de sonhos com músicos: sonhei com o jorge palma.


um colega do meu trabalho tem saudades do regime do salazar, porque acha que naquela altura havia mais liberdade do que agora, já que podia sair à rua sem ter medo de ser assaltado. começo a achar que não sou eu que tenho azar. eles é que são muitos e é inevitável esbarrar com eles.

segunda-feira, setembro 22, 2008

sábado, setembro 13, 2008

music is my radar


esta noite foi em cheio. conheci o ed o'brien dos radiohead (o gajo sem óculos na foto, para quem não souber que é) que me deu um abraço apertado de reconhecimento por ter uma fã tão dedicada.
mais tarde fui assistir a um concerto dos gogol bordello, na fila da frente.


vou começar a fazer uma listagem de músicos com os quais sonhei.

terça-feira, setembro 09, 2008

ninguém merece

ter uma colega de trabalho que passa o dia a ouvir e a cantar celine dion.

segunda-feira, setembro 08, 2008

quiriquiri


fim de semana de festa do avante. à parte das preferências partidárias a festa do avante é um marco incontornável na cena cultural, um dos eventos do ano.
descobri uma das melhores coisas da festa, a gastronomia. nos outros anos em que fora levei sempre o farnel digno de estudante sem dinheiro. este ano, como parte da massa proletária, com dinheiro à distância da caixa multibanco não me fiz rogada e comi uma bela bifana, uma bela salada de polvo e o excelente arroz de polvo. gastronomia à parte, em termos de concertos o balanço é também muito positivo. o primeiro dia foi marcado pela chuva que infelizmente impediu que se realizasse a gala de ópera.
no segundo dia, a primeira banda que vi foi os galandum galandaina a que, com imensa pena minha, só assisti a duas ou três músicas. fiquei com muita vontade de conhecer mais. seguiram-se os kumpania algazarra, que são giros mas ao fim de uma meia hora cansam. deste dia só o camané a fechar a noite é digno de relevo. estava ansiosa para o ver ao vivo apesar de não conhecer o trabalho dele, e nunca pensei vir a gostar tanto. dispensavam-se as palminhas brejeiras ao compasso da guitarrada.
o jantar foi servido ao som dum duo setubalense que tocou carlos paredes, entre outros artistas. foi um momento absolutamente mágico, para ser apreciado em silêncio.
o terceiro dia trouxe o calor abrasador com os inevitáveis terrakota. como sempre espectaculares, mas às tantas enjoativos. provavelmente por ansiar os wraygunn que não pude apreciar condignamente em paredes de coura por causa do frio. concerto que de tão esperado passou a correr, para grande desilusão minha. ficava ali mais de duas horas a curtir a aquela loucura, com um paulo furtado completamente fora de si, no meio da multidão. um verdadeiro animal. quero ver mais.

quarta-feira, setembro 03, 2008

oh your god!


dEUS _ aula magna
19 de outubro

em homenagem à nossa querida vizinha de tenda odete em paredes de coura:


eu casava com o tom barman se ele quisesse.

terça-feira, setembro 02, 2008

fantástico



Rooks - Shearwater


memo: nunca pensei ficar tão contente por voltar a ter de ler um decreto lei, ou mesmo olhar de novo para o meu código civil

segunda-feira, setembro 01, 2008

I don't see what anyone can see in anyone else, but you *


fim de semana de emoções.
revi pela terceira vez o juno, que é já um dos filmes da minha vida. e pela terceira vez choro exactamente no mesmo sítio, quando começa a cat power a cantar. eu que nem gosto nada da dita senhora tenho no cover sea of love o meu momento de fraqueza. e depois, toda aquela banda sonora é perfeita.
a personagem juno é provavelmente a adolescente que eu gostava de ter sido (exceptuando a parte da gravidez) mas com a sensação de que em parte há um pouco de juno em mim. deve ser muito pretensiosismo e mania de que tenho piada.
em sesimbra assisti ao concerto dos dazkarieh em boa companhia. à quarta vez que os vi suspeito que esta terá sido a minha preferida, com o ambiente inesquecível da humidade que passava por nós sob a forma de nevoeiro baixo e que desafinou os instrumentos ao longo de todo o concerto. uma vez terminado graças ao à vontade característico de certa pessoa conseguimos conversar com os membros da banda, em especial com o vasco ribeiro casais e com a joana negrão. são fantásticos, humildes, simpáticos, e com paciência para nos autografarem o cd devidamente comprado na altura. são pessoas normalíssimas, todos até mais baixos que eu, mas se existe essa coisa chamada aura, eles têm-na muito bela. são inspiradores.

por fim, digo hoje adeus ao bpi, e começo amanhã trabalho na sede da zurich. finalmente um emprego adulto que ocupa o dia todo e que não implica cegar os olhos à frente de um computador com perguntas idiotas. consquentemente digo adeus à porca gordurosa e à neo-nazi. eu sei que têm pena, mas não têm mais pena que eu, que aquelas personagens já se tinham tornado parte da minha mobília.

* anyone else but you, the moldy peaches