quarta-feira, maio 28, 2008

desafio


Happiness is only real when it's shared

o desafio consiste no seguinte: no mínimo de palavras possível devemos arranjar uma frase que nos descreva (de preferência cerca de seis palavras... ) e podemos dar-lhe ênfase com uma imagem.
no fundo, isto mostra o quão dependente sou dos que me rodeia. por esta altura já devia ter aprendido a depender muito mais de mim e a ficar mais imune às disputas que por vezes temos com quem mais gostamos mas simplesmente não consigo. não consigo ser feliz sózinha. admiro quem o consiga. eu, pelo menos por enquanto, não. «mas isso é normal...» poderão dizer. não. pode tornar-se demasiado castrador. enfim...
fui desafiada pela naifomaníaca M.

e agora considerem-se desafiados:
betty coltrane
maria del sol
passarola
francisco

domingo, maio 25, 2008

tenho ouvido muito por estes dias

não é um álbum muito bom. a voz é mázinha, na minha opinião (uma mistura de nico e eu própria a cantar no meu carro, como costumo dizer) mas ouve-se bem.
gosto.

Anywhere I Lay My Head - Scarlett Johansson

sexta-feira, maio 23, 2008

eu casava com ele se ele quisesse # 20


azevedo silva

recente descoberta proporcionada por este blog amigo. tenho ouvido obsessivamente o trabalho deste senhor, o josé gonzalez português como gosto de lhe chamar.
o último álbum chama-se autista e está espantoso.

myspace

terça-feira, maio 20, 2008

Cais


costuma ser o contrário, ser eu a fugir deles, mas hoje fui eu ter com o senhor da cais para comprar o exemplar deste mês. edição especial sobre a europa, comemorativa dos 50 anos do parlamento europeu e dos 22 anos de portugal na UE.
o direito comunitário foi das únicas coisas de que gostei mesmo de estudar.

juro que senti os olhares de estranheza nas minhas costas. afinal, ninguém bate insistentemente no braço do homenzito da cais para comprar a revista. acho que até ele deve ter pensado coisas estranhas sobre mim.
regra geral fujo deles, sou uma reles estudante, não tenho dinheiro para ser caridosa.

segunda-feira, maio 19, 2008

hoje vi a morte

A Morte - Azevedo Silva

várias tentativas de reanimação num corpo deitado no meio da estrada junto à cantina velha.
diz quem viu mais tarde que a pessoa acabou mesmo por morrer.


é uma sensação estranha ver acontecer a escassos metros, à vista de toda a gente, aquilo que sabemos que acontece todos os dias, mas que, como não vemos, é como se não existisse.

sábado, maio 17, 2008

foi bonita a festa pá


mas agora já posso regressar à normalidade.


um meu muito obrigada por todas as mensagens deixadas na fita virtual. tenho a barriga cheia de miminhos.

quinta-feira, maio 15, 2008

finalista



é hora de ultimar os preparativos para a bênção das fitas.
só amanhã vou conseguir reunir a maior parte delas, não que tenha dado muitas, o tempo foi escasso e como é habitual deixo tudo para o fim.
é hora de começar a colar as fitas na pasta.
dos amigos. dos tios. dos primos. da prima. da mãe da amiga. do irmão e da namorada. da mãe. do pai. do namorado.
ainda estou por conseguir ler as fitas escritas pelos meus pais sem chorar. as palavras dos pais têm aquela força, aquele amor, que nenhuma discussão é capaz de apagar. têm aquele apoio incondicional. e, sobretudo, aquele orgulho. que é também aquilo que mais me deixa orgulhosa. ver os meus pais felizes. ver o meu pai dizer, no dia em que fomos comprar o meu traje, para a mulher da loja das sopas (que por sua vez disse «é sua filha? é boazuda ela») que eu estava no último ano de direito, se fosse um pássaro estaria com as penas do peito todas entufadas. ver a minha mãe, de olhos rasos de lágrimas, dizer «meu amor», as lágrimas também a soltarem-se dos meus olhos. não devia precisar de alturas destas para me dar conta de quanto os amo. mas é em alturas como esta que mais o sinto, e que servem para me lembrar a sorte que tenho, a imensa, imensa sorte.
os cinco anos que mais me mudaram, que me vão queimar a pele para o resto da minha vida.
fiz-me mulher ali. amadureci e tive uma boa escola de filha da putice que sei que me vai ser útil para o resto da vida.
foram dias sem paixão pelo que estava a fazer, na grande maioria das vezes. foram dias que me mostraram que era sempre possível descer ainda mais baixo. mas também foram dias de gloriosas vitórias, a cada cadeira feita a pulso. conheci poucas pessoas que valessem a pena. pouquinhas. mas as que valem a pena são realmente importantes.
descobri o amor em terreno inóspito. floresceu e quase morreu. a coisa mais difícil que alguma vez tive de suportar, ao mesmo tempo que tive de me concentrar no estudo. prova superada.

sei que no sábado as emoções vão ser fortes, mas só espero que passe depressa para poder fazer a minha vida normal. e guardar para sempre como recordação.


deixo uma fita virtual a quem quiser assinar também.

terça-feira, maio 13, 2008

música que me põe bem disposta


pulp

muito bem disposta.


a passos largos para a última frequência do curso.
oxalá tal fosse verdade e conseguisse despachar tudo agora.

medo

domingo, maio 11, 2008

sexta-feira, maio 09, 2008

eu casava com ele se ele quisesse # 19


steve carell

ok, casar casar talvez não. mas aproveito esta parvoíce para manifestar a minha adoração por este homem.

quarta-feira, maio 07, 2008

neste momento, se me perguntassem

qual é para ti a música do ano, até agora?

eu responderia


dig, lazarus dig. sem hesitações.

tortura nerd


comprar este livro numa altura em que estou imersa em obrigações académicas que não têm corrido muito bem há que dizê-lo não foi boa ideia.

sexta-feira, maio 02, 2008

eu casava com ele se ele quisesse # 18


the devastations

antes que comecem a pensar mal da minha pessoa, não, não casava com o três ao mesmo tempo. foi só que estava eu a estudar quando me lembrei que hoje era sexta feira e ainda não tinha escolhido o noivo da semana. e não me ocorria ninguém. o que só se pode dever ao cansaço e ao tédio provocado pelas normas de conflitos ad hoc, e outras coisas que tais.
assim sendo, e aproveitando a canção que estava a tocar no meu media player, lembrei-me deste grupo formado por três sujeitos visualmente agradáveis, para além de terem um último álbum fantástico .

quinta-feira, maio 01, 2008

eu tento, eu juro que tento



mas não consigo ouvir outra coisa.
começo a ficar preocupada, tamanha adição não me parece muito normal.

ou


eu tento, eu juro que tento

mas não consigo perceber nada de direito internacional privado...