terça-feira, março 25, 2008

subconsciente amiguinho


a minha atribulada vida sentimental dos últimos meses foi-me hoje recompensada com um sonho brutalmente erótico com o george clooney.

segunda-feira, março 24, 2008


nunca estive muito inclinada a colocar fotografias minhas no blog, mas hoje sinto-me particularmente nostálgica, e apeteceu-me partilhar uma recordação daquele que ainda é o dia mais feliz da minha vida. esta fotografia foi tirada de manhã, no alfa pendular em direcção ao porto, para ir ver nick cave a paredes de coura. sou eu e a minha sista bitch vera.

sexta-feira, março 21, 2008

eu casava com ele se ele quisesse # 12

ewan mcgregor

um dos meus actores preferidos, desde que o vi num dos filmes da minha vida, o clássico trainspotting.
este anúncio tem-me deliciosamente atormentado há mais de uma semana, em vários cartazes espalhados por estações e por ruas. um tormento assim dá gosto.

quinta-feira, março 20, 2008

alma da palhaça

ontém alguém me disse que nunca ninguém o tinha feito rir como eu faço. a mesma pessoa que me disse que eu era a pessoa mais simpática que alguma vez conhecera.
acho que foram dois dos elogios mais bonitos que já me fizeram, pelo menos os que me deixam mais feliz.

quarta-feira, março 19, 2008

se eu pudesse cantar fazia-o assim

a l s e m a l a l l f o r t h e s a y
e n d e n o g a t a i
e n d e n o g a t a i - d a h

i am strong in his hands
i am beyond me
on my own i'm human
and i do faults


i do confess
i feel you trickeling
down my shoulders
from above


mmmm mmmm mmmm mmmm

i turn myself in
i give myself up
volunteer
you own me : i'm yours


mmmm mmmm mmmm mmmm

you have to trust it
i'm eternally yours
all that i gave them
i gave to you


mmmm mmmm mmmm mmmm

so needy of comfort
but too raw to be embraced
undo this privacy
and put me in my place


mmmm mmmm mmmm mmmm

generous palmstroke
the hugest of hugs
undo this privacy
embrace


e m b r a c e m e
e e e e m b r a c e
e m b r a c e m e
e e e e e e m...

mmmm mmmm mmmm mmmm

i am strong in his hands
I am beyond me
on my own i'm human
and i do faults


she is strong in his hands
she is beyond her
on her own she is human
and she does faults

she is strong in his hands


terça-feira, março 18, 2008

segunda-feira, março 17, 2008

se chegar a velha e ficar solteirona ou viúva já sei como ocupar as minhas tardes de domingo: vou para o bailarico do mercado da ribeira. aquilo ontém pareceu-me uma grande animação, quem sabe se não conheço algum senhor distinto com quem partilhar os meus últimos dias.

não gosto (mesmo nada) da madonna


e a capa do último álbum dá-me vómitos.

sábado, março 15, 2008

post muito sério. ler com cara muito séria

a notícia é esta. o ps entregou no parlamento uma proposta de lei com vista a proibir os piercings, tatuagens e maquilhagem permanente a menores.
por enquanto não passa disto, é uma proposta de lei, não nos alarmemos demasiado.
mas não dá para não soltar um gigantesco foda-se acompanhado de um ai o caralho, que merda é esta? voltámos ao fascismo ou quê?
é que o estado está-se a tornar mais do que o nosso aglutinador, a nossa identidade única, a nossa referência. o estado com uma medida destas quer-se tornar no nosso pai castrador que não nos deixa sair à noite, nem fazer tatuagens, e namorar só depois dos 18. o estado paternalista é um sintoma de totalitarismo agudo. acho que o estado está a ficar profundamente doente.
porque qual é o nexo desta medida? dizem eles que é para se constituir uma referência de qualidade, tudo em função da protecção dos consumidores. e onde entra a restição de idade aqui? é o toque especial, a ver se passa, porque ninguém gosta de ver os jovens para aí todos furados. a meu ver não é mais do que uma restrição severa a um direito fundamental, mais concretamente o direito à identidade pessoal e ao desenvolvimento da personalidade, constitucionalmente consagrado no art. 26º/1 da Constituição.
é que é totalmente descabido. porque vejamos, um menor com 16 anos pode:
- comprar bebidas alcoólicas (art. 2º/1 a) a contrario do dl. 9/2002 de 24 de janeiro)
- comprar tabaco
- casar (1649º CC)
- perfilhar (1850º)
- trabalhar (55º/2 CT - podendo fazê-lo mesmo tendo apenas 15 anos, desde que cumpra os requisitos do 55/3 CT)
- suceder ( 2033º CC)
- testar, desde que emancipado, ou seja, se tiver casado (2188º + 2189º a) a contrario)
o elenco não deve terminar aqui, mas acho que já está suficientemente ilustrado como isto não tem qualquer razão de ser.
ninguém discordará que de facto deve haver controlo da qualidade dos sítios onde se façam piercings e tatuagens, se a medida visasse apenas isso duvido que alguma voz discordante se levantaria.
mas isto, amigos, é inadmissível, tendo em conta que este governo foi o mesmo que aprovou a lei do aborto, o governo que de facto parecia estar a ir por um bom caminho. então chegamos ao ponto de uma miúda poder abortar e não poder furar o que quiser no corpinho? então posso mandar no meu corpo ao ponto de acabar com uma vida e não posso adorná-lo como eu quiser?
isto é quase anedótico, se não fosse tão grave tinha piada. imensa mesmo.
em todo o caso isto não deve ir avante, porque ainda terá de passar pelo crivo da constitucionalidade. se o cavaco duvidar. agora, se o cavaco também não gostar da juventude toda cravejada, enfim...resta esperar.

sexta-feira, março 14, 2008

eu casava com ele se ele quisesse # 11


paulo furtado, ou legendary tiger man

este senhor, este senhor... sacanamente sexy, imensamente talentoso. e fala a mesma língua. um candidato a noivo perfeito.
esta semana ouvi muito wraygunn e legendary tiger man, muito rock'n'roll tesudo.

quinta-feira, março 13, 2008

@ quinta do conde

ou como também gosto de chamar: a capital do bom gosto.
todos os dias quando vou para a estação me deparo com este exemplar do bom e bonito tuning, e todos os dias a perplexidade é a mesma: nunca tinha visto um automóvel de mercadorias quitado, e não entendo qual a motivação. se em carros normais já é o que é, neste fica apenas...eu nem sei...todas as palavras são desnecessárias perante tamanha estupidez.

se clicarem na imagem vê-se um pouquinho melhor. foi o que se arranjou, com o telemóvel. porque uma coisa destas tinha de ficar para a posteridade.
dir-vos-ei quando for vendido. perderei a minha já pouca fé na sociedade quando eu souber que alguém comprou aquela máquina.

actualização: um amigo meu, que tenho em muito boa conta, acaba de me dizer que até nem está mal e que se estivesse melhor de finanças pensava em comprar. uma parte de mim morreu agora.
acho que não era na brincadeira, logo...é de mim?

actualização #2: já que estamos numa de falar de carros, não resisto a mencionar aqui o inquérito mais absurdo de sempre, na página inicial do sapo.

costuma trancar as portas do carro?

sim 75%
raramente 10%(?)
não 7%(?!)
só de noite 7% (?!?!)

que merda é esta?

quarta-feira, março 12, 2008

gaja que é gaja gosta de quizzes



e este resultado é totalmente a minha cara, por acaso.

daqui

terça-feira, março 11, 2008

primeiro estranhei

agora entranhou-se-me.

ele deve cheirar tão bem... dito por betty coltrane. love ya bitch.

segunda-feira, março 10, 2008

post sério. ler com cara séria.

hoje quando cheguei a casa, entre duas torradas e café com leite, vejo um bocadinho do portugal no coração. estava em estúdio o actor que fazia de fininho no 1,2,3, não sei quantos guilherme, acho eu, confesso que não me lembro do nome do senhor. e um produtor de teatro de revista.
falava-se então do presente e do futuro do teatro de revista em portugal.
o actor mostrava-se revoltado com o estado do teatro de revista em portugal, nos dias de hoje, atribuindo a culpa da falta de apoios ao sócrates, e saiu-se com uma tirada memorável que foi mais ou menos isto: ao menos o salazar gostava de teatro, se este agora que ser igual ao salazar então que apoie o teatro de revista, ou então matem-se aqueles gajos. matem-se os gajos que estão no poder.

bem, que dizer sobre isto.

a minha mãe obviamente estava possessa, porque tenho a impressão que é capaz de gostar mais do sócrates que a própria mãe deste. mas numa coisa ela tem claramente razão. obviamente no tempo do salazar se o senhor dissesse uma barbaridade destas onde iria ele parar...a aliás, não chegava a fazê-lo, que o medinho era mais que muito.
não contesto que o sócrates esteja a ser uma desilusão. isto para quem votou nele, como eu, já que quem não votou poderá dizer de boca cheia que não o pôs lá no poder. só não me parece que o homem agora deva servir de bode espiatório para tudo. estragam-se as colheitas, é culpa do sócras. o benfica perde é culpa do sócras. tá calor, é culpa do sócras. ninguém vai à revista, é culpa do habitual sócras.
ninguém vai à revista porque a revista faz tanto sentido hoje quanto a teresa guilherme ser actriz. pouco ou nenhum. a meu ver sobretudo por causa da saturação dos temas e dessa coisa mais linda que é a liberdade de expressão. o mesmo motivo que leva o sr. fininho a poder dizer que se devia matar esta cambada toda é aquele que lhe está a estragar o negócio. temos pena.
os tempos são outros, o humor mudou, o público mudou, o país mudou. mas os actores gostariam de fazer o mesmo tipo de teatro que se fazia há 40 ou mais anos atrás.
não dá. paciência, mas não dá.
quer dizer, ainda se faz, com nomes tão engraçados como hip hop'arque. mas em tanta abundância como era antigamente parece-me impossível.

mas a minha querida mãe, ao mesmo tempo que fez uma observação sensata, saiu-se com algo que me preocupa tanto quanto a nostalgia pelo nosso senhor salazar, padroeiro dos poupadinhos: isto agora das pessoas dizerem tudo o que lhes vai na cabeça também não está certo, devia ser proibido dizer-se certas coisas.
arrepio.
algo vai mal quando se acha que a liberdade de expressão devia ser restringida. é que se fosse só a minha mãe a dizer isso estavamos nós bem, que a d. gertrudes sózinha não é o pensamento do país. mas não ouvi isto apenas dela. e se isto se generaliza, tendo em conta alguns comportamentos do senhor sócrates que às vezes se duvida que sejam totalmente democráticos, bem... com um pouco de sorte os senhores do teatro de revista podem começar a entrar novamente em acção, porque parece que as pessoas têm saudade de ver a sua liberdade de expressão restringida.

sábado, março 08, 2008

é dia da mulher e eu tenho mamas pequenas

dia da mulher hoje. seja lá o que isso for, e para quê. não me parece nada necessário, assim como a maior parte dos dias comemorativos.
mas não sei por causa disso mas apanhei no canal odisseia hoje de manhã um documentário sobre cirurgia estética. mulheres que já tinham feito para cima de seis operações, mamas grotescas, empinadas, em forma de meloa, lipoaspirações por causa dum raio duns pneuzitos que saiam para fora das calças. irrita-me muito a busca pela perfeição corporal. é triste ver tantas mulheres com esse ideal de vida, que faz com que depois sejamos todas tomadas pela mesmo bitola, e com que se reaja com estranheza quando digo que não aumentaria as mamas.
porque não? perguntaram-me. porque sim? pergunto-me. porque raio? para quê? simplesmente não ia ser eu. até porque mamas grandes em mim iria ser no mínimo ridículo, totalmente desproporcionado.

o dia da mulher serve apenas para me lembrar que faz hoje dois anos que passei no meu exame de condução. sem registo de ocorrências, tirando um toque estúpido produto dum estacionamento mais estúpido ainda e alguns sustos.

sexta-feira, março 07, 2008

eu casava com ele se ele quisesse # 10


zach condon, beirut

esta semana escolho este senhor para noivo porque finalmente se dignou a marcar viagem para o nosso país, estava a ver que não. e à falta de um vai estar em dois sítios, em sines e em lisboa. gostava muito, mesmo muito, de o ir ver a sines, que até nem fica longe da minha casa, se formos a ver. em lisboa acho que não vai ter tanto encanto, mas isto deve ser manias de miúda com gostos refinados: ah em sines é mais caro? então quero antes ir a sines.
esteticamente este menino é uma fofura, tem aquela cara de menino que já confessei por aqui que é a minha perdição. este por acaa.so até é mais novo e tudo, mas acho que é só um aninho, portanto não faz de mim uma criminosa.

quinta-feira, março 06, 2008

eu acho que não sou burra. não. não sou brilhante, mas também não estou nada mal.
mas é burra, muito burra, como me sinto quando estou a tentar perceber alguma coisa daquela que é pomposamente intitulada de cadeira mais difícil do curso, que se dá pelo bonito nome de direito internacional privado. e para que serve esta bonita cadeira? imaginem que um de vocês decide casar no dubai com alguém do senegal, vão viver para a papua nova guiné, e numas férias nas seychelles um de vocês dá uma facadinha no matrimónio, e querem aí pedir o divórcio. qual é a lei que se aplica agora, sabem? eu também não sei, mas tenho esperança de vir a saber. só mesmo para fazer a cadeira, porque honestamente não quero saber minimamente de conflitos transnacionais.

por isso, é assim que me sinto.

My Unkymood Punkymood (Unkymoods)

em todo o caso a minha banda sonora está muito boa. ainda que não me ajude por aí além...

terça-feira, março 04, 2008

uma chatice...

... isto de julgar as pessoas pelas vozes. consigo detestar uma pessoa que tenha uma voz feia ou uma maneira de falar irritante. nem consigo ouvir o que dizem e bufo cada vez que abrem a boca. infelizmente no meu dia-a-dia tenho de aguentar com imensa gente com as particularidades aqui descritas.
cheira-me que ainda vou ter dissabores por causa disto.

segunda-feira, março 03, 2008

declare (in)dependence


volta, björk

um álbum que detestei a primeira vez que ouvi. acho que por preconceito, por ver o nome do timbaland lá metido para o meio, ou por não estar com a disposição certa.
mas com a notícia da vinda desta mulher a portugal fui buscar este aos arquivos e dei-lhe uma segunda oportunidade. e uma terceira. por hoje já deve ir numa décima quinta, por aí. aliás, a discografia dela é tudo o que tenho ouvido por estes dias. isso e a banda sonora absolutamente maravilhosa do eddie vedder para o into the wild.
acho que tamanha devoção pela senhora merecia ser premiada com um bilhetinho para o sudoeste. digo eu.

domingo, março 02, 2008


into the wild

todo o meu corpo chora ainda.