terça-feira, julho 01, 2008

democracia

fui ontém à assembleia da minha freguesia, expoente máximo do poder local junto dos cidadãos.
uma palhaçada, em linguagem corrente.
vi com os meus olhos como eram os representantes da freguesia de s. lourenço, e não gostei. o presidente da mesa orgulhoso por poder demonstrar a sua autoridade junto de tanta gente, qual dono a exibir o seu carro de alta cilindrada, a 1ª secretária vinda de uma aula de aeróbica com o cabelo ainda molhado e fato de treino, o puto da jcp provavelmente da minha idade que mais não fez do que rabiscar uma folha durante toda a sessão, e os restantes com ar alienado.
o presidente da junta, criatura sonsa que está prestes a ser o meu vizinho da frente, para todas as perguntas teve resposta, que passou sempre por garantir que se estava a pensar no assunto e pouco mais. pouco demorou a provocar a fúria dos que estavam presentes.

vi a mediocridade das nossas estruturas de poder local mesmo à minha frente.

6 comentários:

Maria del Sol disse...

O cenário que descreves torna-se ainda mais patético depois do confronto (leia-se marranço) que tenho tido com a intrincada legislação do património cultural. Ainda há um longo caminho a percorrer para que a nossa seja uma democracia digna desse nome...

rjl disse...

...o pior que as estruturas locais são os reflexo do poder e estruturas nacionais...
:s

José Eduardo disse...

e eu a pensar que nas terrinhas de azeitão era tudo um mar de rosas... :/

Mars disse...

cala-te, tá bué gay :x

passarola disse...

um dia ainda hei-de votar em ti para um cargo importante :)

Cataclismo Cerebral disse...

Deve ter sido uma salganhada inacreditável... :S

Bjs