terça-feira, julho 31, 2007

cascas de laranja

o filme do tarantino pôs-me a pensar num assunto fútil mas pertinente.
a celulite.

as personagens do último death proof são indiscutivelmente belas. sedutoras, femininas, um autêntico regalo para os olhares masculinos. e nos grandes planos lá estava a celulitezinha no rabiosque e/ou nas pernocas. mas c'órror!, pensarão as dondocas fitness-junkies. mas que bem, pensei eu. ora aqui estão actrizes lindas, desejáveis, atraentes, com celulite.
porque nós mulheres fomos abençoadas com o dom de produzir celulite. o mais difícil será não tê-la. e o mais difícil implica passar tempo a lutar contra isso, furiosamente pedalando numa qualquer bicicleta de ginásio, ou a gastar dinheiro em cremes que mágicamente fazem desaparecer o peso da carteira, ou a travar uma violenta luta interior contra a vontade de beber uma 7up bem fresquinha só porque (oh meu deus) tem gás.
defendo eu a apologia do desleixo? não, de todo. de facto, o exercício devia fazer parte do nosso (do meu...) quotidiano, as escolhas alimentares devem também ser devidamente ponderadas.
mas existe um longo caminho entre termos cuidado connosco e levarmos uma vida de restrições. portanto, venho aqui declarar guerra, sim, a uma vida de restrições! a uma vida complexada, a uma vida sem o doce sabor do doce, a uma vida de prazeres travados, sejam eles quais forem.

mulheres, está na altura de assumir a vossa celulite! porque a perfeição na existe e porque há coisas muito mais importantes às quais devemos dedicar a nossa atenção.

domingo, julho 29, 2007

Project Grindhouse 2ª Parte - Planet Terror




Um Pouco menos apelativo, sobretudo quando se vê uma babe desfigurada. Série B levada ao limite.

motherfucker! (*)

ia com as expectativas baixas, tendo em conta as coisas que tinha lido sobre o filme.
mas death proof conseguiu deixar-me maravilhada. se calhar sou eu que sou de fácil contentamento, ou então porque o filme, a meu ver, tem sido algo subvalorizado. porque agora espera-se sempre do tarantino que cada filme supere o último em termos de originalidade. com este, a meu ver, ele não superou nenhum dos anteriores, mas conseguiu algo que se coloque sensivelmente no mesmo patamar daquilo a que nos tem habituado. e tendo em conta que a qualidade a que ele já nos tinha habituado é inquestionável, este é mais um grande filme. enorme. muito acima da média.

quem ainda desconhecer a história pode lê-la por exemplo aqui.
(*)a palavra motherfucker nunca soa tão bem quanto num filme do tarantino.

quinta-feira, julho 26, 2007

estreia hoje um dos filmes mais aguardados do ano. anseio poder ir ver. vai é ter de ser feita uma espécie de ginástica financeira já que também quero ver o do tarantino.
por que raio fico meses sem pôr os pés numa sala de cinema e depois quando surge um filme que me interessa surgem logo dois ou três?...

segunda-feira, julho 23, 2007

domingo, julho 22, 2007

carpe feriae

foi por dias como estes últimos três que vale a pena estar de férias. o doce sabor do divertimento sem preocupações académicas.
fica aqui uma sugestão que por experiência própria recomendo, sobretudo se as condições atmosféricas ajudarem.

festa do cinema do inatel
estádio do inatel, lisboa

28/07 - piratas das caraíbas - nos confins do mundo
29/07 - the departed
31/07 - homem aranha 3
1/08 - diamante de sangue
2/08 - mister bean em férias
3/08 - à noite, no museu
4/08 - o segredo de terabítia
5/08 - ocean's 13
7/08 - psycho
8/08 - filme da treta
9/08 - o labirinto do fauno
10/08 - happy feet
11/08 - 300

as sessões têm início às 21.45 e o bilhete custa €3.
para mais informações ver aqui.

terça-feira, julho 17, 2007

me and my army


de volta às origens. por mais música que eu oiça, por mais vezes que me apaixone musicalmente, nada é nem será tão bom quanto a música destas cinco pessoas. nada me parece tão meu, nada me parece tão ajustado a mim quanto esta música. radiohead funde-se e confunde-se com a minha vida.

hoje escolhi este para ouvir o dia todo.

segunda-feira, julho 16, 2007

holy roman empire


chega hoje ao fim uma das melhores séries de sempre.
a segunda e última temporada da série roma termina hoje. não vai haver lágrimas, como no fim dos sete palmos de terra, em princípio. mas fica uma imensa saudade, como fica sempre que acaba uma série que acompanho com interesse.

domingo, julho 15, 2007

Fim-de-semana em gozo

Este fim-de-semana estive pela primeira vez como juíz de natação numa prova de atletas paralímpicos. E se já tinha uma boa ideia sobre o desporto para deficientes agoraainda tenho mais. Embora fosse lá para aprender a ajuízar natação adaptada, a melhorar os meus conhecimentos técnicos, cedo tive vontade de comunicar com os atletas, trocar impressões, mais até, ou mesmo muito mais do que numa prova de natação pura.
As pessoas são extremamente acessíveis, com um sorriso no rosto, e extremamente comunicativas. Talvez devessem ser as pessoas normais pelo menos em termos de atitude, acho-os até mais normais do que nós próprios, e no fundo essa não é a questão. Talvez por eles terem uma dificuldade permanente isso os faça sentir que conseguem ultrapassar uma dificuldade todos os dias, e alguns até conseuguem competir a alto ritmo competitivo e ter um curso superior, sendo mesmo a deficiência motora elevada.
Fiquei extremamente surpreendido porque vi que aquelas pessoas conseguem viver melhor do que eu, ou então o senso comum recusa-se a aceitar aquelas pessoas como normais.
Não me importava de um dia poder trabalhar nem que seja a nível secundário nesta área.
...e não é que parece que a desculpa do bom tempo e da praia não cola hoje? na volta até vai haver pessoas a votar para as eleições da câmara de lisboa. ele há com cada coisa...

actualização: afinal parece que, segundo uma repórter da rtp, a abstinência faz-se sentir, o que pode manchar este dia de eleições.

sábado, julho 14, 2007

josé antónio saraiva dá-nos o chá

as crónicas do director do semanário sol são sempre um almanaque de urbanidade (cá está esta palavra maravilhosa que há uns dias nos roubou uns momentos de reflexão). ele é um autêntico porta estandarte daqueles que defendem que esta civilização está perdida, estamos num retrocesso civilizacional que qualquer dia nos porá de tanga e de lança na mão a gritar uga uga.
e segundo este ilustre pensador existem dois exemplos que ilustram este mesmo retrocesso.
o primeiro é a profusão de tatuagens nos corpos dos nossos concidadãos. um claro sinal de que estes tempos estão perdidos. então onde já se viu andar por aí com bonecos pintados no corpo? estamos no meio do mato ou quê? aquilo é tudo a mesma coisa, são tudo manchas na pele, como melanomas de tamanhos variáveis. e os piercings? o que dizer desse claro sinal de barbaridade? mais vale darem-lhes duas pedras e uma caverna algures nas montanhas do afeganistão que é onde essa gente deve pertencer.
esta semana ele fala-nos do autêntico flagelo que é os palavrões. sim, o uso de palavrões que arruina o nosso léxico, que empobrece a nossa linguagem. e as mulheres que dizem palavrões? faça-se uma fogueira e queimem-se essas bruxas analfabetas, de léxico limitado! acho que devíamos dar no mínimo uma meia hora por dia de tempo de antena ao sôtor josé antónio saraiva, para ele nos civilizacionar. não?

ou então chegar ao pé dele e dizer: vai bardamerda.

quinta-feira, julho 12, 2007

falta-me um bocadinho assim...

tenho pensado muito por estes dias. ansiava pelo tempo livre mas parece que o efeito não foi exactamente o pretendido, pelo menos por enquanto.
mas por estes dias parece-me de concluir que ainda me falta um bocado para ser mulher. por estes dias vejo-me como uma miúda, com medo de contrariedades, com dificuldade em resolver problemas, ferida de morte por um golpe na minha confiança.
julgo que com o passar do tempo o equilíbrio interior acabará por surgir e que um dia acabarei por aceitar o facto que posso ser importante para alguém sem medo de isso não passar duma ilusão na minha cabeça.
tenho muito para aprender.

quarta-feira, julho 11, 2007

efeméride

este blog fez um ano ontém.

parece-me insuficiente deixar este post com esta mera mensagem de uma linha.
não queria contudo fazer um post lamechas porque nem sequer há grande razão para isso, mas ao longo deste ano tem sido verdadeiramente agradável poder partilhar uma parte do meu mundo com quem tem a amabilidade de (me) ler. as pessoas maravilhosas com quem já contactei e com quem já troquei ideias. não me movo com muito à vontade dentro das tecnologias mas o meu blog bem como todos os outros com os quais «perco» algum do meu tempo a ler e a comentar são já partes integrantes dos meus hábitos e no fundo daquilo que eu sou, a rotina encontra-se de tal forma enraizada que só eu sei o que sofri durante o tempo que passei sem o computador. sem visitar as casas dos meus amigos.
como tal, da minha parte pelo menos, espero que este blog continue a poder suscitar algum interesse dentro da comunidade. ainda que todos os novos leitores que aparecem a deixar um comentário pela primeira vez me encham de alegria, àquela visitas habituais deixo um sincero obrigada e o quão feliz fico quando leio o vosso feedback. (a pedido da passarola aqui está o texto em tamanho normal, tudo por vocês meus queridos.)

um muito obrigada a todos.

segunda-feira, julho 09, 2007

e eis que à sexta audição estou finalmente conquistada.
sou uma pessoa muito difícil.

domingo, julho 08, 2007

plise comágain

também nós andámos por springfield.


sábado, julho 07, 2007

este senhor não deve saber dar espectáculos que não sejam grandiosos. e eu agradeço, já que sempre que tiver oportunidade, um concerto de rodrigo leão não é coisa que se perca.

com um alinhamento muito semelhante ao da sua passagem por palmela, já que este concerto faz parte ainda da sua tornée de apresentação do álbum o mundo, desfilaram grandes clássicos, com a abertura a caber (quase de certeza, tendo em conta que não apanhámos o início) a carpe diem, com solitude a ser cantado divinamente pela voz da convidada ângela silva, pasión que arrancou um coro feminino (no qual eu obviamente me incluia) espontâneo muito curioso, quais mulheres de sangue quente e sedutor pelos jardins de belém, muito bem cantada pela grande acordeonista da cinema ensemble celina, que canta aquela canção com uma alma como ninguém, talvez só mesmo suplantada pelo nosso coro...
os arranjos para a orquestra sinfonieta de lisboa resultaram divinalmente, dando uma dimensão ainda mais grandiosa à música do bonacheirão rodrigo.
e depois, houve a presença de beth gibbons... aquela voz intactamente bela, com um timbre inconfundível, a ecoar pelos jardins da torre de belém e a levantar vento do rio. o silêncio total à primeira música por ela cantada que pessoalmente me era desconhecida. a festa à segunda aparição dela para tocar a lonely carousel, que arrancou um «ah mas eu conheço esta música, isto é que é rodrigo leão?» a quem estava atrás de mim e fez ecoar a voz de algumas das muitas pessoas que por lá estavam, que o tuga mesmo sem gostar ou mesmo conhecer, e isso viu-se com muita gente a abandonar o recinto a meio do concerto, não resiste a uma boa borla. e tudo fazia prever que a participação da beth gibbons ficaria por ali. mas não, com a surpresa que estava prometida a revelar-se: uma interpretação por ela cantada do instrumental a comedia de deus, ou canção do regabofe como interiormente é por mim chamada.
mas o ponto alto da noite só pode ter sido a interpretação de sete mares dos sétima legião, pelo convidado especial e ex-membro dos sétima legião pedro oliveira. aí sim, o coro de vozes ecoou bem alto, num momento de nostalgia emocionada para muitos dos que por lá estavam.

no fundo, mais um concerto arrebatador, com um cenário belíssimo, perfeito, mas totalmente inacessível para quem anda de transportes públicos à noite. mas apesar de tudo, a música do rodrigo leão ganha um outro encanto quando tocada em espaços mais intimistas, com os conhecedores devotos. aí sim, torna-se uma viagem etérea, uma autêntica experiência sensorial. ontém, ao ar livre, foi belíssimo mas não teve a emoção que teve em palmela, que foi seguramente um dos melhores concertos a que já assisti.

sexta-feira, julho 06, 2007

quinta-feira, julho 05, 2007

urgente

vende-se bilhete para o dia de hoje do festival super bock super rock.
preço: €40 (negociáveis)

actualização: vendia-se.

terça-feira, julho 03, 2007

I will...

...lay me down in a bunker underground(*).

é assim que vou estar nestes próximos dias. não quero ouvir falar arcade fire, nem de interpol, nem de underworld, nem de lcd soundsystem. para mim é como se não existissem, não quero saber de nada.
e vou-me vingar no direito comercial e devorar contratos de leasing, e de factoring, e trespasses, e sociedades anónimas e por quotas, e deliberações (...)

(*)radiohead - i will

domingo, julho 01, 2007


isto deve ser o que mais tenho ouvido por estes dias.
é daqueles casos em que quanto mais oiço mais gosto, melhor compreendo, e mais vontade tenho de ouvir.
para quem não conhece pode ver aqui.