segunda-feira, setembro 17, 2007

rita

hoje o dia do começo da difícil vida escolar para milhares de crianças. para os que choram desmamados das mamãs, para os que não notam grande entusiasmo por aí além. todos eles, se tudo correr normalmente, irão ter pelo menos doze anos da vida deles com a rotina escolar. aquela que se entranha e que faz com que a minha memória funcione por anos lectivos.
puxou-se a conversa do meu início de vida escolar. sem birras, calmamente, iniciei aquilo que já faço há 16 dos meus 22 anos, feitos há dois dias.
nas palavras da minha professora, lembro-me bem que se chamava maria josé garcia, eu dava-me com novos, velhos, brancos, pretos. a rita é uma menina espectacular, lá continuava a senhora. que por coincidência teve um esgotamento após dar aulas à minha turma. mas não foi por minha culpa, antes pelo contrário. ao que parece eu punha-lhe gotas nos olhos e ficava a tomar conta da sala quando ela não estava. porque os miúdos têm respeito à rita. tal coisa não me passaria pela cabeça, não fosse a minha mãe contar-me há pouco.
de facto lembro-me de sempre me dar bem com toda a gente e de ser apreciada, apesar de não ser aquilo a que se chama popular. a rita não dava festas nem era bonita, apesar de um menino de olhos verdes lindos me ter escrito uma carta a dizer que gostava de mim e de me ter dado um beijo que me pôs a chorar. a rita era a mais alta, daí o respeito que me tinham, presumo. e magrinha que nem um espeto. mais tarde chamada de gazela. mas sempre sem grandes chatices para o meu lado. e o que é triste é que o contacto com os amigos de infância se foi desvanecendo, como aliás acontece sempre com a maior parte das pessoas que conheço.

quem diria que a miúda de seis anos que impunha o respeito na sala de aula e gotas nos olhos da professora se iria tornar na mulher (se é que se me pode chamar isso já que ainda tenho um caminho imenso por percorrer para ser uma mulher) nervosa e insegura com 22 anos, feitos há dois dias?

dá a impressão de que perdemos qualidades quando crescemos.

10 comentários:

Maria del Sol disse...

É desarmante a tua honestidade, amiga, e é por isso que tanto prazer me dá continuar a frequentar este teu espaço :)
Pela minha parte, embora concorde que os anos da escolaridade obrigatória são marcantes e essenciais para a aprendizagem da sociabilidade, não tenho deles uma recordação tão serena quanto a tua, talvez por nunca ter estado sequer perto do estatuto da "menina que impõe respeito", quanto mais da popularidade! São antes uma névoa agridoce, pontuada por bastantes desilusões mas alguns raros momentos de simbiose humana e intelectual.
E, quanto a tornarmo-nos mais inseguros com a idade, não penso que assim seja, trata-se antes de sermos mais conscientes das nossas limitações e menos românticos nos projectos de futuro, mas penso que chegar a essas conclusões sobre a nossa pessoa já é, em si, um acto de segurança e maturidade.

Excedi-me mais uma vez na verborreia, mas a culpa é tua, lanças assuntos tão interessantes!

Baci, e mais uma vez, feliz 2ª capicua!

Betty Coltrane disse...

pelo contrário, minha cara, só as ganhamos!! =)

e tu estás cada vez mais linda e mais mulher, e com mais qualidades! não tens saudades do tempo em que eras mochila da joana, pois não? hehe!!!

uma beijoca gigante!!!!!

Betty Coltrane disse...

by the way: adoro essa foto!!! já te tinha dito, mas repito! =))

Zorze disse...

Dizes que não eras bonita?! Fogo, estás parva? Eras mesmo bonita! E acredita que os anos trazem vantagens: eu era feio quando nasci, discreto na infância, relativamente bonito na adolescência, bonito nos 20 e agora nos 30 estou na minha melhor fase! ;)

Cataclismo Cerebral disse...

Eu cá acho que ganhamos cada vez mais qualidades e real consciência das mesmas! Juntando isso ao assumir dos nossos "pontos menos bons", temos aquilo que constitui a entrada directa na maturidade.

Bjs*

passarola disse...

oh! fizeste anos e não avisaste a malta!! parabéns!!!! Um grande beijinho e muita força... para tudo :)

little_blue_sheep disse...

PARABÉNS A VOCÊ!!!
;*
Chuac!!!

planeta Claudiano disse...

Primeiro Parabéns pelos 22 anos.Eu só comecei a impor respeito mais tarde. O meu primeiro dia de aulas foi estranho,a rapariga da mesa atrás de mim,passou o tempo todo a deitar-me a lingua de fora...

kat_Jam disse...

Gostei tanto de ler este texto. Sério :) Nem acredito que não disseste que fazias anos. Muitos Parabéns, Rita (é bom chamar-te finalmente pelo nome). 22 aninhos tenrinhos ... quem me dera, eu que em Abril já faço 25.
Eu ainda não pus os pés nas aulas, mas ao que me consta pouca gente o fez. Eu era uma menina assim gordinha (coisa que se resolveu com os 16 anos), marrona, com boas notas, menina bonita dos professores, caixa de óculos, e nunca propriamente a menina popular (excepto no 10º ano, em que andei com o miúdo giro da turma, que por acaso de giro agora acho que não tinha nada, mas pronto ... nesse ano acho que fui, a contragosto, a menina popular com a qual toda a gente queria estar. Mas ele era um chato e quando acabei com ele foi-se a popularidade, graças aos santinhos, que aquilo era irritante).
E no liceu vestia-me de uma maneira estranha. E pintava o cabelo de cores estranhas. Devia haver quem me considerasse uma freak, certamente.

André Sousa disse...

Muitos Parabéns! Embora Atrasados, são sinceros...

Bjs

PS Para quando o "nosso cafézinho"?
Quando estiveres por Lisboa apita.