quinta-feira, maio 24, 2007

ódio em pó

interpelada por um senhor dos que vendem a revista cais. sorriso simpático, quase ternurento, olhos meigos pergunta-me se eu não quero uma revista.
eu começo por dizer que não, que não tinha dinheiro... talvez fosse pouco verosímil já que estava em pleno recinto da feira do livro de lisboa, a desfolhar alegremente um livro.
o sorriso antes simpático contrai-se num ar carrancudo. insiste mas eu acabo por dizer não não estou interessada. vira costas enquanto repete alto não está interessada né? não está interessada...

fiquei a sentir-me mal comigo mesma. era suposto ter comprado a revista, não devia ter recusado uma oferta dum sorriso tão encantador? ainda que efectivamente não tivesse dinheiro. e não tinha. quer dizer, tinha uns trocos que ainda têm de dar para a senha do almoço na cantina. sou estudante, o esforço mental não é recompensado em dinheiro, tenho pena. não comprei a revista e o senhor odiou-me ali naquele momento. instantâneamente.

8 comentários:

Maria del Sol disse...

Não fiques assim, Curse... claro que é inevitável a sensação de mal-estar, quando nos pedem ajuda e é clichê dizer que se dermos dinheiro a todos os que pedem na rua ficamos sem nenhum para nós, mas no nosso caso, de estudantes dependentes dos pais não há mesmo nada a fazer... quando recebermos pelo nosso trabalho (o que, já por si é uma incógnita :S) estaremos em melhores condições de ajudar quem acharmos que realmente precisa, mas até lá nós é que deviamos andar a vender revistas, ao preço a que estão as propinas... :(

Continuação de boa semana!
Beijinhos

Betty Coltrane disse...

Sim, Maria, completamente!!! Vamos po metro pedir!!

Deixa lá Ritinha, já me aconteceu toneladas de vezes... E já vi cenas muito más com os senhores da Cais. Mas a verdade é que na maior parte das vezes,e isto é muito ridículo, eu de certeza que tenho menos dinheiro na carteira que eles! Dois euros po almoço, e é com sorte! Que tristeza...

ana disse...

as vezes tem mesmo de ser. é que não somos, nem estamos em condições de ser um pais de filantropia e boas almas todos os dias.
a tua consciência tranquila acima de tudo. esquece isso

Cataclismo Cerebral disse...

A mim também já me aconteceu. Só que realmente, se formos a dar a todos os que pedem, ficamos mesmo a zeros. E ainda por cima (eu sei que é cliché) mas os euros são tão fáceis de se gastar...

Bjocas

little_blue_sheep disse...

:S

é verdade, estou seriamente a pensar ir ver Smashing e White, mas o bilhete é tão caroooooooooooooooooo.........
e o dinheiro tão pouco......
:S
kisses

Zorze disse...

Não fiques assim, não acho que a Cais tenha a melhor estratégia de preço. Acho que ainda custa uns quantos euros. O dinheiro não chega para tudo e, de facto, quem devia contribuir não são os estudantes, como tu. Quando andava na faculdade, andava sempre a contar os tostõezinhos para o café, para a imperial ou para o maço de tabaco - eu sei como é! E o senhor de sorriso simpático devia ter tomado isso em conta! Beijos ***

naturalissima disse...

Ainda bem que existem esses sistemas que de certa forma "ajudam" aos que mais necessitam. Pensamos sempre que mais vale este tipo de situações, do que estarem jovens para ai a roubar!!!
A sociedade suporta com dificuldade os pequenos e grandes males... Sintimo-nos cumplices destes desequilibrios, somos também nós os responsaveis, dai consciente e/ou inconscientemente a tua reacção perante a atitude do rapaz...

Aproveito para te dizer que passei pelo peixe-de-aquário e gostei de te ver lá a nadar... glu, glu. glu,glu... hehehehe ;)

Um boa semana :)
Beijinhos
Daniela

passarola disse...

este "post remorso políticamente correcto", nem parece teu, curse... se o senhor sentiu ódio... problema dele, que ódio é uma coisa mto feia!! ora aí está uma boa razão para não lhe comprares a revista e poupares os teus trocos para coisas que provocam sentimentos mais positivos ;) e continuamos contagem decrescente para white stripes... see u there, girl!!