domingo, março 25, 2007

mélinha faz-te à vida


anos de vida já levo 65. anos na vida...esses já é mais difícil contar, 40 acho eu. foi pouco depois de ter a minha mais velha, o meu marido era um inútil e eu tinha de comer não é verdade? a rosário diz-me «oh mélinha vai pá vida». e eu fui para a vida, porque não.
se era difícil ao início? era, claro que sim mas depois uma pessoa até se habitua. ganha-se mais do que a limpar a merda dos outros e assim até convivo todos os dias com as pessoas, aqui na esquina conhecemo-nos todas umas às outras. ali a mimi já tem 75 anos, ninguém lhos dá já viu? sim, já tentei fazer outra coisa mas ao fim de uns meses senti falta desta vida. uma pessoa até vai ficando amiga dos clientes, há alguns que já só vêm conversar, coitadinhos já não lhes dá para fazer mais nada. mas fica-se amigos para a vida, sabe? as miúdas mais novas é que são umas putas, ainda no outro dia arrearam ali na pobre da adelaide porque dizem que a gente lhes rouba os fregueses. claro que temos fregueses!! os cabritinhos gostam muito aqui das mamãzinhas, são os que procuram mais até. deve ser porque nós somos mais compreensivas, já andamos nisto há muito anos sabe? eu só largo a vida quando não puder mais ou se me sair o euromilhões claro. aí largava logo. agora assim..não sei fazer mais nada da vida.isto para mim já é como comer pão com manteiga, sabe? ao menos aqui uma pessoa vai convivendo, sempre vê gente a passar e falamos umas com as outras.
se me saísse o euromilhões sabe o que é que eu fazia? eu já sei, abria uma casa e punha a trabalhar umas raparigas novas, eu ficava só a mandar. isso é que era.
não, não tenho vergonha do que faço. tenho é vergonha quando alguns clientes se aproximam de nós e nos perguntam alto, sem se importarem com quem passa, a quanto é o broche e essas coisas assim. é muito desagradável, ao menos dantes havia decência. era tudo mais discreto, uma pessoa ia para a pensão com o cliente, fazia o que tinha a fazer e pronto. agora assim...já não há maneiras como antigamente. dantes é que era...no tempo do doutor salazar. éramos tratadas com dignidade, até paizinhos vinham com os filhotes para eles experimentarem. agora hoje em dia...já me têm pedido cada coisa. mas eu não faço nada dessas coisas esquisitas, comigo é tudo ao natural e apenas o tradicional. coisas modernas não é comigo.
claro que os meu filhos não sabem o que faço, como deve calcular não lhes vou dizer olhem a vossa mãe é puta. mas todos os dias venho para aqui com medo de ser reconhecida por algum deles. já viu a vergonha? nesta vida só contei aos meus irmãos o que faço. agora até aceitam mas já tive de ouvir da boca deles chamarem-me puta velha.
e isso eu não admito.

baseado na notícia da edição de hoje do diário de notícias. aqui.


2 comentários:

passarola disse...

boa curse!! quando comecei a ler pensei que era mesmo um texto real, da boca da própria narradora que tinhas ido buscar a algum lado :) gostei de conhecer a melinha!!!

Pedro disse...

=)