terça-feira, março 06, 2007

Da janela do meu quarto


Da janela do meu quarto vejo mundo
Vejo o mundo sisudo, em pano de fundo
Quero ver tudo cinzento
Para me sentir protegido
Quer que sopre do vento
Para me sentir como quando fui concebido

Do meu refúgio vejo o mundo
Depois do primeiro vem o segundo
E depois o terceiro passado
Assim passam todos sem parar
Eu fico pasmado
Enquanto passo despercebido ao olhar
Fito o mundo do meu ninho
Moo a minha paciência como a mó do moinho

Fico risonho do meu egoísmo
Mas é bom, ficar com os meu botões
Guardar para nós o histerismo
De percorrer o mundo em colchões.....

Sem comentários: