quinta-feira, janeiro 04, 2007

Séries de Televisão

Hoje a televisão tem-se tornado cada vez mais um mundo sensaci-onalista, palco de paixões, e manipula-ção de senti-mentos, e exploração da vida e das emoções de cada um. Neste contexto tem sido cada vez mais difícil arranjar programas que realmente tenham algum valor. O público mais culto e amadurecido virou-se para as séries de televisão que tiveram bastante adesão, por parte do público americano e expandiram-se para o público internacional através da televisão por cabo. Estas por sua vez revelaram-se uma autêntica arca de segredos, responsáveis por uma grande atracção do público, com encaixes financeiros soberbos, cada vez mais efeitos e equipas de produção maiores e reveladoras de talentos, tais como Kiefer Sutherland da série 24 e James Gandolfini e Steve Buscemi dos Sopranos, e sobretudo uma grande história por detrás de toda a série. Séries como os citados 24, os Sopranos, Sete Palmos de Terra, Serviço de Urgências e Ficheiros Secretos, despertaram fãs pela sua surpreendente qualidade e destronaram a maldição que as trazia de séries como as Marés Vivas, Falcon Crest e as novelas. No fundo são o substituto das novelas para um público mais interessado.

Na verdade, graças ao sucesso destas séries de televisão, alguns realizadores cinema apostam nos televisores de cas para prosseguirem as suas histórias como George Lucas em relação à Guerra das Estrelas. Até há cadeias de televisão que apostam apenas em séries de televisão como a Fox. Algumas das séries focam mais em detalhe uma história e abordam com maior minúci do que um filme de duas horas e meia consegue dar ao problema. Os povos anglo-saxónicos parecem ser, a maior parte das vezes um povo de grau intectual superior e sempre se preocuparam em fazer séries de televisão bastante interessantes aproveitando até obras de autores tranformando-o em série. Realmente não consigo apontar critérios para distinguir uma série de televisão e uma novela televisiva, com excepção, de que em regra o argumento das séries é sempre interessante e, de que estas podem dividir-se em temporadas e a sua abordagem às personagens não é sensacionalista. Os latinos por sua vez, especialmente os espanhóis e os portugueses, preferiram as novelas, que se reconduz a intrigas e a abordagem de questões sem qualquer interesse, bom para satisfazer os mexericos, que as mulheres portuguesas sempre gostaram de coscovilhar. Talvez por isso sejamos um povo atrasado, porque sempre tentamos andar atrás dos outros em vez de melhorarmos a nós mesmos, e encararmos os problemas que realmente interessam.....

5 comentários:

curse of millhaven disse...

primeiro: o de «as mulheres portuguesas sempre gostaram de coscovelhar» é em parte verdade mas tb n pode ser dito assim tão secamente. há por aí mt bom homem a discutir as novelas e a ler as revistas d tv que eu bem os vejo...
só acordei para as séries de tv mt recentemente. comecei por acompanhar desde nova as séries da britcom, que considero o melhor humor, estamos muitos furos abaixo do humor britânico. talvez seja uma razão fisiológica, cultural, de localização geográfica, n sei. só agr mais recentemente comecei a acompanhar a nata das séries norte americanas, das quais posso destacar as que estão no meu top 4: 1º sete palmos de terra; 2º sopranos; 3ºanjos na américa; 4º 24.em portugal já se tem apostado em séries, quase sempre fracassadas. de facto, a telenovela é infinitamente mais barata e mais viciante no sentido em que não mexe com o cérebro das pessoas, a história sai com a msma velocidd com q entrou, sendo substiuída por outra com poucas diferenças.talvez algum dia a situação mude, mas por enquanto o público português está tão habituado à estupidez das novelas q n resta msm alternativa a quem quer fugir que é ver a 2: ou a fox.

passarola disse...

pois..a curse já tocou no ponto chave. A novela é infinitamente mais barata e infinitamente mais rtentável.. até porque se estica..estica..até não dar mais. Temos bons argumentistas para séries em Portugal (e propostas de muito boas séries em gavetas), o problema é que não há um forte investimento nisso. Eu acho que o público televisivo é educável..se começarmos a apostar em séries em prime time em todos os canais, o público adere.. mas tem que haver primeiro o investimento e depois a adesão...

Ao contrário..investe-se cada vez mais em novelas para crianças.. pfuu .. grande público que estamos a formar! :S

beta disse...

Eu até te percebo. Entendeste, e bem que é uma questão cultural.

Torna-se, no entanto, necessário entender a cabeça do público português. O Portugûes classe média baixa ( classe que se destaca em maior nº da classe média alta) luta cada vez mais para fazer chegar os euritos ao fim do mês...

Daí, serem as novelas representantes de um mundo de fantasia que necessitam. Dou-te por exemplos: uma mulher pobre que fica rica, uma menina que casa com o principe encantado e por aí iamos nós.

Não é pois só uma questão cultural, mas também social...

Não sei se consegues perceber o que estou a tentar transmitir (não sou tão boa escritora como tu :) )

Eu não vejo novelas ( nem sei quantas há neste momento em emissão e quais são); Sete Palmos de Terra é das melhores séries que alguma vez vi.
E porque penso como tu? Porque tive um desenvolvimento cultural e social que me permite pensar/agir para além duma vida de sobrevivência.

Mantenho a posição que a aparente falta de cultura dos portugueses, que preferem comprar não sei quantas revistas por semana e
que com o que gastam poderiam comprar um bom livro, resulta apenas da vida complicada de quase toda a gente... Afinal é muito mais interessante que a fulana X que é casada com Y tem uma relação amorosa com H; ou até mesmo aquele lindo casamento da Y!

É para mim um fenómeno social que só mudaria com alguma alteração socio-economica.

Infelizmente, não me parece que tal vá mudar tão cedo.

Excelente tópico :)

beijinho

refugee disse...

Obrigado Beta, por acaso acho que só comecei a ter uma escrita mais escorreita a partir do momento em que comecei a ler mais. Mesmo assim acho que spou bastante medíocre, mas o mais importante é transmitir os pensamentos. Qaunto ao problema socio-económico, em todos os países há pobres, mas nós nunca queremos passar da cepa torta.

Pedro disse...

Então mas digam-me lá uma serie espanhola, alemã, italiana ou francesa que recordem com saudade? Falam das series americanas, do humor britanico e da falta de cultura do povo português. Certo. Mas pensam que um inglês médio ou um americano médio são pessoas cultas? LOL! Há tantos bons argumentistas e talento em Portugal como petroleo, prova disso foi que o concurso que a scriptmakers realizou ai foi ganho por uma brasileira. E temos um problema de dimensão. Não há nada em Portugal, ou na Europa tirando, talvez, os estúdios em bromley, que se compare à Universal Studios. Na Europa n há uma profissionalização tão grande da escrita como nos Estados Unidos. Logicamente quando se tá 3 meses fechado sem fazer mais nada, acaba-se por ter uma ideia tipo Lost ou 24. Ah, mas essas pessoas, até têm talento e são muito porreiras ;) Abraço

P.S - Ainda tou para conhecer o primeiro americano que já tenha lido Pavese.